Notícias

Em Assembléia, Aeroviários avaliam contraproposta
Por: Renato Ilha, jornalista (MTb 10.300), 06/12/2016 em: Notícias

SÃO PAULO/SP - Após mobilização de Aeroviários e Aeronautas, que acenaram com“estado de greve” nos aeroportos, nova contraproposta de reajuste nos salários, pisos e demais benefícios econômicos foi apresentada pelo Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (SNEA), em negociação conjunta com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aéreos (FNTTA), filiada à Força Sindical,a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil da CUT (FENTAC/CUT)e sindicatos filiados, para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2017.

 

A nova proposta parte da Manutenção das cláusulas da CCT e da oferta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), de novembro de 2015 a novembro de 2016, para salários até R$ 10 mil, e o INPC do mesmo período, em valor fixo, que será divulgado entre 8 e 9/12, para vencimentos acima desse valor.

O INPC também será aplicado para reajustar pisos, tíquete Alimentação, diárias e seguro de vida. Em 2016, o INPC acumula 6,35% e 8,5%, de outubro de 2015 a outubro de 2016.

FOLGA AGRUPADA

As partes também pactuaram a realização da primeira reunião do calendário bimestral, em 16 de março de 2017, para rediscutir a folga agrupada uma vez por mês e a escala 5X1.

Para Reginaldo Alves de Souza, o “Mandú”, Presidente da FNTTA, é preciso que os patrões respeitem a data-base (1º de dezembro), poisa categoria está alerta e pronta para ampliar a mobilização. O sindicalista, que foi eleito para o quinquênio 2015/2020, também preside Sindicato dos Aeroviários no Estado de São Paulo (SAESP). Assembléias convocadas pelos sindicatos de Aeroviários e de Aeronautas vãodeliberar sobre a contraproposta patronal e definir os rumos da campanha salarial.

IMPORTÂNCIA DO INPC COMO INDEXADOR

Calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 1979, o Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC) é utilizado pelo Governo como parâmetro para o reajuste de salários em negociações trabalhistas.

 

O índice mede a variação de preços de um conjunto de produtos e serviços consumidos pelas famílias de baixa renda, com remuneração mensal de um a cinco salários mínimos, entre os dias 01 (um) e 30 (trinta) do mês de cada mês, abrangendo treze regiões metropolitanas do Brasil: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, Porto Alegre, Curitiba, Campo Grande, Vitória, Goiânia e Brasília.